Doenças: Como Prevenir

Por:

Prof. Dr. Carlos Eduardo Machado

CRM 41.937

“Desde a antiguidade sabe-se que a boca é a porta de entrada de várias doenças. Má alimentação gera células fracas, sem a defesa necessária para enfrentar a vida diária. 

          A medicina sempre estuda novos métodos terapêuticos para as muitas doenças, inclusive as novas, que surgem constantemente. Embora bilhões de receitas médicas sejam prescritas todo ano, e centenas de novos medicamentos lançados, as doenças continuam.

          Mas todos nós queremos ter saúde, energia e disposição. Todos querem, mas poucos percebem que não têm. Estamos perdendo nossa saúde um pouco a cada dia. E, muitas vezes, estamos acelerando o processo de surgimento de doenças e acelerando nosso envelhecimento.

          O envelhecimento e a degeneração das células da pele, por meio das rugas, manchas, lesões, são bastante combatidos devido à super valorização da beleza física no mundo atual. Entretanto, o mesmo envelhecimento degenerativo ocorre internamente, em todas as células do corpo, nos ossos, músculos, coração, cérebro, rins, pulmões: tudo envelhece, dia a dia. Não percebemos este estrago interno, diferente do que vemos em nossa pele, com suas rugas, manchas e lesões.

          É evidente que é muito mais fácil manter nossa saúde do que tentar recuperá-la. Passamos metade de nossa vida estragando nosso corpo, e a outra metade tentando corrigir o estrago feito.

          Muito se fala em prevenção na medicina, mas o fato é que fazer prevenção do câncer de mama ou ginecológico, as campanhas de prevenção de doenças cardíacas, não previnem nada: apenas detectam doenças antes da pessoa perceber.

          Se compararmos os cuidados preventivos contra o desgaste de nossos automóveis, vamos perceber que cuidamos muito melhor deles, do que de nossos filhos.

          Hipócrates, o Pai da Medicina, há milhares de anos já falava ¨que o alimento seja teu remédio¨. Mas precisamos entender melhor essa frase: afinal, não podemos tratar nossas doenças com alimentos; hoje em dia, a medicina permite retirar da natureza, de vegetais e animais, e de alimentos, as substâncias que realmente podem ser utilizadas como medicamento. Não precisamos mais usar produtos na forma bruta da natureza para fazer algum tratamento.

          Do mesmo modo, não colocamos petróleo no nosso carro; é muito mais fácil colocar gasolina, já processada pela indústria e pela tecnologia moderna. Além disso, podemos usar a gasolina aditivada, com antioxidantes, aditivos e lubrificantes. Já pensou em colocar caldo de cana em seu carro a álcool? Mais prático do que isso é escolher um bom posto de combustível, com controle de qualidade, e abastecer seu automóvel com álcool aditivado.

          Se para seu carro a moderna tecnologia pode ser útil para reduzir a velocidade de envelhecimento do motor, das mangueiras e tubos, da lataria, etc., será que não podemos aplicar as mesmas tecnologias à nossa saúde?

          Reparou que o alimento principal do seu carro é o combustível de boa qualidade, sem contaminantes, sem produtos químicos inadequados? E lubrificantes e antioxidantes são utilizados há anos. O envelhecimento de um motor, das tubulações de um carro, das dobradiças das portas, da lataria, da pintura, são muito semelhantes entre si. Mas tudo se volta para a alimentação do seu carro. Combustível de má qualidade faz mal. Alimentos de má qualidade também.

          Não deveríamos nos esquecer que envelhecemos cada dia um pouco, embora se considere velho, apenas o idoso alguém cheio de rugas, curvado pelo tempo, andar trôpego, cabelos grisalhos.

          Lembre-se que vinte anos de vida são vinte anos de desgaste; e que cinco anos de idade são cinco anos de uso continuado.  Todos nós iremos desenvolver doenças degenerativas e doenças do envelhecimento”.