Doenças renais em diabéticos: como tentar evitá-las?

As manifestações de doenças renais ocorrem quando existe modificação do sedimento urinário, quando através do simples exame de urina I ocorre a perda de proteína e sangue. Na população diabética as lesões renais se manifestam precocemente através da perda microscópica de albumina, a chamada microalbuminúria. A microalbuminuria é um marcador preditivo de doença cardiovascular, mas no diabético quando se manifesta concomitantemente com a lesão ocular (retinopatia diabética), podemos dizer que a nefropatia diabética já se manifestou. As lesões renais na fase de microalbuminuria são geralmente assintomáticas e passam despercebidas, mas o diabético deve suspeitar quando há alteração dos níveis pressóricos, grande variabilidade de níveis glicêmicos, alterações na visão, presença de espuma na urina, aumento das micções noturnas, e urgências miccionais. Nem todo o diabético irá desenvolver a doença renal, mas aqueles com dificuldade de controle pressórico, lipêmico e glicêmico serão os mais propensos.  A população diabética também pode desenvolver outras doenças renais, que não estejam relacionadas à nefropatia diabética, são casos mais raros, ocorre a modificação do sedimento urinário sem a presença de retinopatia diabética.

O controle dos níveis glicêmicos ainda é fundamental para evitar a doença renal, mas estudos recentes revelam que os controles rígidos dos níveis pressóricos são ainda mais importantes, modificando os conceitos de hipertensão arterial, deixando de estabelecer um padrão único para a população (Exemplo: PA=120x80mmHg), e passando a adotar a aceitação de níveis pressóricos cada vez menor sem que se manifestem sinais de hipotensão arterial (Exemplo: Tonturas). O controle mais rígido dos níveis lipídicos (Colesterol e Triglicérides) também contribui para evitar a progressão da doença renal.

 

Por Dr. Marcelo Pinelli, nefrologista.